Idosos e direção: veja os cuidados que devem ser tomados nas ruas

| 31/08/2017 | Reply

A população de idosos tem crescido no Brasil nos últimos anos. Na última pesquisa do gênero realizada, percebeu-se que entre 2005 e 2015 a parcela de idosos no total da população brasileira saltou de 9,8% para 14,3. Os dados da “Síntese de Indicadores Sociais (SIS): uma análise das condições de vida da população brasileira 2016” revelam a importância de olhar para essa faixa etária, que ainda tem saúde e quer continuar as coisas que faziam enquanto adultos. E uma delas é ter a liberdade de ir e vir, inclusive, dirigindo.

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não tem nenhuma restrição de idade ou sugestão específica para a condução dos idosos. O único item solicitado é que, a partir dos 65 anos, seja feito o exame médico a cada três anos para verificar sua aptidão física e mental. Antes dos 65 anos esse exame é pedido a cada cinco anos.

Em geral os idosos são mais prudentes e experientes no trânsito. Os anos de vida ensinam e são poucos aqueles que dirigem alcoolizados, sem cinto de segurança ou em velocidade acima do permitido. Além disso, eles se preocupam mais com a manutenção do automóvel e planejam com mais cuidado seus trajetos e deslocamentos.

Algumas questões médicas podem ser favoráveis à ocorrência de acidentes de trânsito, especialmente no caso dos idosos. Porém, muitos deles possuem uma maior habilidade na direção, fazendo com que eles dirijam de forma mais competente e segura. Ou seja, basear o pensamento exclusivamente na idade para definir se uma pessoa idosa pode ou não dirigir é um erro que não encontra sustentação nem no conhecimento científico, menos ainda na prática diária.

Problemas que podem afetar a direção da pessoa idosa

No entanto, o envelhecimento pode implicar em algumas deficiências e limitações físicas que deve fazer com que os idosos fiquem atentos para não deixar que esses problemas afetem sua direção. Entre elas temos:

  • Deficiências de movimento: ações mais lentas e menos seguras, podendo causar uma direção mais perigosa;
  • Deficiências visuais: doenças nos olhos como catarata, glaucoma, degeneração macular e retinopatia diabética podem afetar a visão e dificultar a direção de idosos por conta de algum desses problemas;
  • Deficiências auditivas: perda auditiva provocada pelo acúmulo de cerúmen ou por algum outro problema no ouvido, já que é comum idosos perderem a audição com o passar do tempo. Isso implica na alteração da condução e na percepção do som, podendo afetar alguns aspectos no trânsito, como não ouvir uma buzina, por exemplo.

Há também a possibilidade de ter as funções cognitivas comprometidas por conta do envelhecimento. Isso pode afetara memória, a atenção, o aprendizado, o juízo crítico, entre outros aspectos. As doenças degenerativas, como o Alzheimer e outras demências, também prejudicam a qualidade de vida do idoso.

Dicas e cuidados para o idoso dirigir de forma mais segura

Por isso, é importante sempre ir ao médico para saber se seus reflexos, movimentos, visão e audição estão funcionando satisfatoriamente, sem a chance de afetar sua direção no dia a dia.  Confira a seguir alguns cuidados que os idosos devem tomar quando estiverem dirigindo:

  • Evite dirigir à noite, ao amanhecer, ao anoitecer e em horários de pico;
  • Dirija por trajetos menores, de curta duração;
  • Descanse sempre após uma hora e meia de direção continuamente;
  • Procure dirigir veículos com direção hidráulica, câmbio com transmissão automática, pedais com grande superfície e retrovisores amplos. Esses confortos facilitam a sua direção e contribuem para evitar transtornos no trânsito;
  • Preste atenção aos efeitos colaterais dos medicamentos que consome;
  • Tome cuidado com as conversões à esquerda, que são as causas mais costumeiras de acidentes. Em alguns casos pode ser mais seguro e tranquilo fazer três conversões à direita, por exemplo.

Tags: , , , , , , , ,

Category: Detran

Leave a Reply